A vida é um por enquanto que há-de vir.

Mia Couto

Mia Couto

Profissão: Autor
Nacionalidade: Moçambicano


A vida é um por enquanto que há-de vir. Mia Couto

Sugestões para você :

Só um mundo novo nós queremos: o que tenha tudo de novo e nada de mundo.

O verdadeiro desespero é ficar no apeadeiro da sua actual condição. O desespero é saber que esse destino a que chamamos de futuro é comandado por entidades que deixaram de olhar para nós como seres humanos. E que um fosso progressivamente maior separa os que andam nos chapas dos que circulam em luxuosas viaturas.

Não inventaram ainda uma pólvora suave, maneirosa, capaz de explodir os homens sem lhes matar. Uma pólvora que, em avessos serviços, gerasse mais vida. E do homem explodido nascessem os infinitos homens que lhes estão por dentro.

Quem amamos nasce antes de haver o tempo.

Em terra de misérias um pequeno nada é olhado com muita inveja.

esperto é o mar que, em vez da briga, prefere abraçar o rochedo.

Não é força que se pede a um canoeiro. O segredo está no ritmo dos remos, batendo num mesmo compasso na superfície da água.

A vida é um beijo doce em boca amarga.

Para que as luzes do outro sejam percebidas por mim devo por bem apagar as minhas, no sentido de me tornar disponível para o outro.

Quem se lembra tanto de tudo é porque não espera mais nada da vida.

A guerra é uma parteira: das entranhas do mundo faz emergir um outro mundo. Não o faz por cólera nem por qualquer sentimento. É a sua profissão: mergulha as mãos no Tempo, com a altivez de um peixe que pensa que ele é que faz despontar o mar.

Quem voa depois da morte? É a folha da árvore.

Saudade de um tempo? Tenho saudade é de não haver tempo.

Sofro, afinal, a doença da poesia: sonho lugares em que nunca estive, acredito só no que não se pode provar.