O autor na sua obra, deve ser como Deus no universo, presente em toda a parte, mas não visível em nenhuma.

Gustave Flaubert

Gustave Flaubert

Profissão: Romancista
Nacionalidade: Francês

Sugestões para você :

Pensando continuamente (...), ia-se esquecendo dela e desesperava-se vendo como a imagem se lhe apagava da memória, apesar dos esforços que fazia para a reter.

O que o dinheiro faz por nós não compensa o que fazemos por ele.

Não devemos nos acostumar com os prazeres impraticáveis, quando ao nosso redor nós temos mil exigências...

Exuberância é melhor do que gosto.

Que grande necrópole é o nosso coração humano!

No tempo da sra. Dubuc, a velha senhora se sentia ainda como a preferida; mas, agora, o amor de Charles por Emma lhe parecia uma deserção de sua ternura, uma invasão do que lhe pertencia; e ela observava a felicidade do filho com um silêncio triste, como alguém arruinado olha, através da vidraça , pessoas à mesa em sua antiga casa.

Emma Bovary c'est moi.

A medida de uma alma é a dimensão do seu desejo.

O coração é uma riqueza que não se vende nem se compra. Presenteia-se.

A mulher é um animal vulgar do qual o homem formou um ideal belo demais.

A arte é, de todas as mentiras, a que engana menos.

Entretanto, as chamas abrandaram-se, seja porque a provisão se esgotasse, seja porque a acumulação fosse muita. Extinguiu-se o amor, pouco a pouco, pela ausência; à saudade sucedeu o hábito; e aquele clarão de incêndio que lhe ruborizava o céu desmaiado se descobriu de mais sombra e desapareceu gradativamente.

Por que nos conhecemos? Por que o acaso o quis? Foi porque através da distância, sem dúvida, como dois rios que correm a unir-se, nossas inclinações particulares nos impeliram um para o outro.

encontrava-se numa dessas crises em que a alma inteira mostra indistintamente o que encerra como o oceano que, nas tempestades, entreabre-se das algas das praia até a areia dos abismos.