Conhecer um pouco a alma de quem se ama – melhor do que se conhece a nossa. É o mais que se pode fazer. Cada acto de amor deve ser um passo – não importa se inútil ou contraproducente, desde que não seja falso.

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Esteves Cardoso

Profissão: Autor
Nacionalidade: Português

Sugestões para você :

No fundo, o amor tem pouco a ver com a presença, com a convivência, com o tempo e as experiências por que se passa. Quantas vezes acontece amar alguém sem suportar estar ao pé dela? Não é só na família.

O ter destrói aquilo que o querer tinha de bonito. Uma necessidade ocupa mais o coração, durante mais tempo, que uma satisfação. Querer concentra a alma no que se quer, mas ter distrai-a. Nomeadamente, para outras coisas e outras pessoas que não se têm.

O amor começa pelo amor. É o céu. O céu foi criado primeiro. A paixão é um simples impulso físico, material, mensurável, explicável por todas as ciências da atracção. É o mar. O mar está mais perto de nós. Podemos chegar ao fundo dele.

Quando a sinceridade é considerada uma virtude, desconsidera-se o resultado que pode ter.

A arte é demasiado séria para ser sujeita às indefinições e frivolidades da expressão verbal.

Eu não acredito em Deus (não consigo acreditar em Deus), mas acredito em todos aqueles que acreditam. Sou o eco deles. Como todas as pessoas sinceras que se sentem circunscritas pelas suas limitações, tenho vergonha desta estreiteza. Ser térreo é terrível. Mas não é pecado.

Fazer por estar bem disposto é como fazer um ramo de flores com aquilo que se tem em casa. Usa-se o que se tem e faz-se o melhor que se pode.

Os inimigos, devidamente estimulados e aceites, impedem-nos de nos tornarmos vítimas da nossa importância.

Quem não gosta de polémicas ou é mentiroso ou um monotomaníaco de primeira.

Querer estar bem com todos é, quanto a mim, mais odioso que ter ódio a toda a humanidade. O amigalhaço é aquele que acaba por ser inimigo de todos, na maneira como se comporta, para ser amigo só de si mesmo, no resultado desse comportamento. A amizade só faz sentido quando traduz claramente uma escolha.

Portugal é o paraíso dos parolos porque tudo lhes é permitido. E encomendado. Doutro modo não teríamos a riqueza da nossa arquitectura parola, a parolice especial da nossa música, a notoriedade pública dos nossos maiores políticos parolos.

O riso é lindo. Não é preciso rir “de”. Rir “de” é uma inferioridade. Nem sequer é preciso rir “porque”. O melhor é rir sem fazer a mínima ideia porquê.

Como num encontro puro, a curiosidade de conhecer melhor outra pessoa sente-se como uma espécie de alegria. As perguntas, só de serem feitas, já fazem bem. Quando dois amantes passam horas numa conversa de chacha, o que interessa foram as horas a passar.

Sem um amor não vive ninguém. Pode ser um amor sem razão, sem morada, sem nome sequer. Mas tem de ser um amor. Não tem de ser lindo, impossível, inaugural. Apenas tem de ser verdadeiro.