Devemos temer quem odeia a si próprio, pois seremos vítimas de sua cólera e de sua vingança. Cuidemos, então, de seduzi-lo para o amor a si mesmo!

Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche

Profissão: Filósofo
Nacionalidade: Alemão

Sugestões para você :

Todos os que desfrutam acreditam que da árvore o que importa é o fruto, quando na verdade o que importa é a semente: eis a diferença entre os que desfrutam e os que crêem.

O sucesso tem sido sempre um grande mentiroso.

Não é só a razão, mas também a nossa consciência, que se submetem ao nosso instinto mais forte, ao tirano que habita em nós.

Como tem diminuído o mal! Outrora, suponha-se que todos os fenómenos naturais tinham a intenção de causar males.

Mesmo o mais forte tem seu momento de fatiga.

Nós nunca comunicamos pensamentos; comunicamos tão-só movimentos, sinais mímicos com os quais remontamos aos pensamentos.

DEVE-SE FALAR somente quando não se pode calar e falar somente do que se superou: tudo o mais é tagarelice, literatura, falta de disciplina.

O que é o amor, senão compreender que um e outro viva, aja e sinta de maneira diversa e oposta da nossa, e alegrar-se com isso?

A fé é ignorar tudo aquilo que é verdade.

Admito que como teoria isso possa ser uma coisa nova. Porém, na verdade, esse é o fato substancialmente primitivo em toda a história, que se tenha, pelo menos, a coragem de ser sincero consigo mesmo.

Odeio as almas estreitas, sem bálsamo e sem veneno, feitas sem nada de bondade e sem nada de maldade.

Qual é a tarefa de todo ensino mais elevado? - Tornar o homem uma máquina. - Qual o meio para tanto? - Ele precisa aprender a entediar-se. - Como se alcança um tal estágio? – Através do conceito de dever.

Quem perde o respeito por si mesmo, já não pode mais, também como homem do conhecimento, comandar, conduzir. A menos que quisesse converter-se em grande mentiroso.

Se se quer ser alguém, deve venerar-se a própria sombra.