Os homens esão demasiado ocupado consigo mesmos para ter tempo de compreender e discernir os outros.

Jean de la Bruyere

Jean de la Bruyere

Profissão: Filósofo
Nacionalidade: Francês

Sugestões para você :

Pensar só em si e no presente é uma fonte de erro em política.

Não poder suportar todos os maus carácteres de que a sociedade está cheia não revela bom carácter: e isso é indispensável no comércio das peças de ouro e da moeda.

As mulheres são dos extremos: são melhores ou piores do que os homens.

Surpreende-nos encontrar no coração de algumas mulheres um sentimento mais ardente de que o amor, quero dizer, a ambição e o jogo; tais criaturas tornam os homens castos, e têm do sexo a que pertencem apenas os vestidos.

Devemos calar-nos acerca dos poderosos, há quase sempre lisonja em dizer-se bem, há perigo em dizer-se mal enquanto estão vivos e cobardia após a sua morte.

Os filhos seriam, talvez, mais caros a seus pais e, reciprocamente, os pais aos filhos, sem o título de herdeiros.

A natureza é apenas para quem vive no campo.

Só Existem três acontecimentos importantes na vida: nascer, viver e morrer... Não sentimos o primeiro... no viver, sofremos porque temos que morrer... ao morrer, geralmente, observamos que esquecemos de viver como se deveria VIVER...

O dever dos juizes é fazer justiça; a sua profissão, a de deferi-la. Alguns conhecem o próprio dever e exercem a profissão.

Todo o nosso mal provém de não podermos estar sozinhos: daí o jogo, o luxo, a dissipação, o vinho, as mulheres, a ignorância, a desconfiança, o esquecimento de nós mesmos e de Deus.

É preciso que um autor receba com igual modéstia os elogios e as críticas que se fazem às suas obras.

As coisas maiores só devem ser ditas com simplicidade; a ênfase estraga-as. As menores precisam de ser ditas com solenidade; elas só se sustentam pelo modo de expressão, pela atitude e pelo tom.

Cada virtude apenas requer um homem; apenas a amizade requer dois.

Há três acontecimentos na existência humana: nascimento, vida e morte. Nascemos sem saber, morremos sem querer e esquecemos de viver.