Todas as bandeiras se encheram tanto de sangue que é tempo de as banirmos por completo.

Gustave Flaubert

Gustave Flaubert

Profissão: Romancista
Nacionalidade: Francês

Sugestões para você :

Emma Bovary c'est moi.

Cheguei à firme convicção de que a vaidade é a base de tudo, e de que finalmente o que chamamos de consciência é apenas a vaidade interior.

A mulher é uma criatura normal sobre a qual fizeste uma bonita imaginação.

Não devemos nos acostumar com os prazeres impraticáveis, quando ao nosso redor nós temos mil exigências...

Não se faz nada de grande sem fanatismo.

Entretanto, as chamas abrandaram-se, seja porque a provisão se esgotasse, seja porque a acumulação fosse muita. Extinguiu-se o amor, pouco a pouco, pela ausência; à saudade sucedeu o hábito; e aquele clarão de incêndio que lhe ruborizava o céu desmaiado se descobriu de mais sombra e desapareceu gradativamente.

Tudo acaba por ser interessante se o contemplarmos durante tempo suficiente.

O encanto da novidade, caindo pouco a pouco com uma peça de roupa, punha a nu a eterna monotonia da paixão, que tem sempre as mesmas formas e a mesma linguagem.

Já não odiava ninguém: uma confusão de crepúsculo empenava-lhe o pensamento e, de todos os ruídos da terra, não ouvia senão o intermitente lamento de seu pobre coração, meigo e indistinto, como o último eco de uma sinfonia longínqua.

Nunca existiram grande homens enquanto vivos. É a posteridade que os cria.

A verdadeira força é o expoente da destreza.

Não há verdade, só há percepção.

Ser estúpido, egoísta e ter boa saúde, eis as condições ideais para se ser feliz. Mas se a primeira vos falta, tudo está perdido.

O sucesso deve ser uma conseqüencia, nunca um objetivo.