Apenas amamos aquilo que não possuímos por completo.

Marcel Proust

Marcel Proust

Profissão: Autor
Nacionalidade: Francês

Sugestões para você :

Curaram-no. Mas logo que deixou de ser louco, tornou-se idiota.

A amante que acossamos, a amante que suspeitamos que está prestes a trair-nos, é a própria vida, e, embora já não a sintamos a mesma, ainda acreditamos nela, ficamos em todo caso na dúvida, até o dia em que afinal nos abandona.

A imobilidade das coisas que nos cercam talvez lhes seja imposta por nossa certeza de que essas coisas são elas mesmas e não outras, pela imobilidade de nosso pensamento perante elas.

Um homem que dorme mantém em círculo em torno de si o fio das horas, a ordem dos anos e dos mundos. Ao acordar consulta-os instintivamente e neles verifica em um segundo o ponto da terra em que se acha, o tempo que decorreu até despertar; essa ordenação, porém, pode-se confundir e romper.

Há uma coisa ainda mais difícil do que seguir um regime; é não o impor aos outros.

As coisas de que falamos o mais das vezes em tom de gracejo são geralmente, ao contrário, as que incomodam, mas não queremos mostrá-lo, com talvez a esperança inconfessada de uma vantagem suplementar: de justamente a pessoa com quem conversamos, ouvindo-nos gracejar daquilo, pensar que não é verdade.

Se um tanto de sonho é perigoso, não é menos sonho que há-de curá-lo, e sim mais sonho, todo o sonho. É preciso conhecer totalmente os nossos sonhos, para não sofrermos mais com eles.

A felicidade serve apenas para tornar a infelicidade suportável.

E sossego é coisa que não pode haver no amor, pois o que se obtém é sempre um novo ponto de partida para desejar ainda mais.

Os paraísos perdidos estão somente em nós mesmos.

A felicidade é salutar para os corpos, mas é o desgosto que desenvolve as forças do espírito.

Passamos a vida a mentir, até, sobretudo, talvez apenas, àqueles que amamos. Com efeito, somente esses podem pôr em perigo os nossos prazeres e fazer-nos desejar a sua estima.

Ele é trivial, de êxitos fáceis, e de desaires definitivos.

De sorte que é um erro falar em má escolha de amor, pois, desde que há escolha, só pode ser má.