Se não podemos ver-nos, trocar ideias, nem estar em companhia um do outro, o sentimento do amor evaporar-se-á em pouco tempo.

O impossível reside nas mãos inertes daqueles que não tentam.

Ávidos pelos bens distantes, não devemos desprezar os bens próximos; lembremo-nos de que estes últimos também, outrora, foram ansiosamente desejados.

Deves servir à filosofia para que possas alcançar a verdadeira liberdade.

Lembre-se de que aquilo que você tem hoje, um dia esteve entre as coisas que desejava.

O sentido de um ser e sentir prazer seja ele qual for ao lazer no paladar e no amor desde que se esse realize com prazer.

Quando dizemos, então, que o prazer é fim, não queremos referir-nos aos prazeres intemperantes ou aos produzidos pela sensualidade, como crêem certos ignorantes, que se encontram em desacordo conosco ou não nos compreendem, mas ao prazer de nos acharmos livres de sofrimentos do corpo e de perturbações da alma.

A necessidade é um mal, mas não há necessidade de viver nela.

E quem diz que a hora de filosofar ainda não chegou ou já passou, assemelha-se ao que diz que ainda não chegou ou já passou a hora de ser feliz.

A morte é meramente a separação dos átomos que nos compõe. Não anuncia portanto nem castigos nem recompensas para os homens. Não devemos temer nem a morte e menos ainda, as punições infernais inventadas pela ignorância e pela superstição.

Somente o justo desfruta de paz de espírito.

A quem não basta pouco, nada basta.

Entre os desejos, alguns são naturais e necessários, outros naturais e não necessários, e outros, nem naturais, nem necessários, mas efeito de opiniões vazias.

Entre os homens, na maioria dos casos, a inatividade significa torpor, e a atividade, loucura.

Se aquilo que ocasiona prazer aos libertos eliminasse os receios do espírito, dos fenómenos da natureza, da morte e das dores, e se ainda ensinasse o conhecimento da limitação das ânsias, nada teríamos a desaprovar nessas pessoas.

O mais belo fruto da justiça; é a paz da alma.

Não deve supor-se antinatural que a alma ressoe com os gritos da carne. A voz da carne diz: não se deve sofrer fome, a sede e o frio. E é difícil para a alma opor-se; antes, é perigoso para ela não escutar a prescrição da natureza, em virtude da sua exigência inata de bastar-se a si própria.

As leis existem para os sábios, não para que não pratiquem injustiças, mas para que não as sofram.

A vida do justo não é perturbada pelas inquietações, mas a vida do injusto é cheia delas.

As pessoas felizes lembram o passado com gratidão, alegram-se com o presente e encaram o futuro sem medo.

É verdadeiro tanto o que vemos com os olhos como aquilo que aprendemos mediante a intuição mental.

Não precisamos temer os deuses. não precisamos nos preocupar com a morte. É fácil alcançar o bem. É fácil suportar o que nos amedronta.

Nada é suficiente para quem o suficiente é pouco.

O prazer de fazer o bem é maior do que o de recebê-lo.

Os grandes navegadores devem sua reputação aos temporais e tempestades.

A imediata desaparição de uma grande dor é o que produz insuperável alegria: esta é a essência do bem, se o entendemos direito, e depois nos mantemos firmes e não giramos em vão falando do bem.

Se queres enriquecer Pítocles, não lhe acrescentes riquezas: diminui-lhe os desejos.

Verdade é que o homem sensato não evita o prazer, e quando finalmente as circunstâncias o obrigam a deixar a vida, ele não se comporta como se esta ainda lhe devesse algo para a suprema existência.

A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada.

O mais terrível de todos os males, a morte, não significa nada para nós, justamente porque, quando estamos vivos, é a morte que não está presente; ao contrário, quando a morte está presente, nós é que não estamos.

Faz tudo como se alguém te contemplasse.

A segurança, perante os homens, pode ser fortificada, até um certo grau, pelo poder e pela riqueza; aquela, porém, que é conferida pela vida na tranquilidade e no retiro da massa dos homens é certamente mais genuína.

A falsidade ou o erro está sempre no juntar-se de uma opinião.

Somente a razão torna a vida alegre e agradável, excluindo todas as Concepções ou Opiniões falsas que podem perturbar a mente.

É difícil deixar oculta a injustiça que cometemos; mas ter segurança de que ela permanecerá oculta é impossível.

O homem sereno procura serenidade para si e para os outros.

Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros são naturais e não necessários; outros nem naturais nem necessários, mas nascidos apenas de uma vã opinião.

Toda amizade, por mais desejável que seja por si mesma, é, no fim das contas, construída sobre o proveito próprio.

Nossa alma é composta de átomos, por isso é mortal como nosso corpo, nos é dado viver uma só vez. As multidões se consolam com a esperança de outra vida melhor.

Deus deseja prevenir o mal, mas não é capaz? Então não é onipotente. É capaz, mas não deseja? Então é malevolente. É capaz e deseja? Então por que o mal existe? Não é capaz e nem deseja? Então por que lhe chamamos Deus?

A medicina em nada beneficia, se não liberta o corpo dos males; da mesma forma a filosofia não cumpre seu papel se não liberta a alma das paixões.

Nada é suficiente para quem julgar o suficiente demasiadamente pouco.

Toda a amizade é desejável por si própria, mas inicia-se pela necessidade do que é útil.

Quanto à sensação de segurança perante os homens, o poder e o domínio são bens dados pela natureza, a partir dos quais podemos proporcionar-nos segurança.

É tolo pedir aos deuses o que se pode conseguir sozinho.

A morte não é nada para nós, pois, quando existimos, não existe a morte, e quando existe a morte, não existimos mais.

Quem não considera o que tem como a maior riqueza, será sempre desditoso, ainda que seja dono do mundo.

Não faça nada que teu vizinho não possa saber.

A liberdade é o maior fruto da auto-suficiência.