As ideias de ontem fazem os costumes de amanhã.

Para conseguir grandes coisas, é necessário não apenas planejar, mas também acreditar; não apenas agir, mas também sonhar.

Raramente tenho aberto uma porta por descuido sem ter deparado com um espectáculo que me fizesse sentir, pela humanidade, compaixão, nojo ou horror.

Agradeço ao destino por ter-me feito nascer pobre. A pobreza foi-me uma amiga benfazeja; ensinou-me o preço verdadeiro dos bens úteis à vida, que sem ela não teria conhecido. Evitando-me o peso do luxo, devotou-me à arte e à beleza.

A virtude, tal como os corvos, aninha-se nas ruínas.

Quando uma coisa foi dita, e bem dita, não tenha escrúpulos, tome-a e copie-a”.

A vida de uma nação, como a de um indivíduo, é uma ruína perpétua, uma sequência de desabamentos, uma interminável expansão de misérias e crimes.

Por mais que busquemos, apenas nos encontramos a nós próprios.

A compaixão é que nos torna verdadeiramente humanos e impede que nos transformemos em pedra, como os monstros de impiedade das lendas.

Nada é mais poderoso do que a palavra: o encadeamento de razões fortes e de elevados pensamentos.

O futuro permanece escondido até dos homens que o fazem.

É acreditando nas rosas que as fazemos desabrochar.

O passado é a única realidade humana. Tudo o que é já foi.

Considero o conhecimento de si mesmo como uma fonte de preocupações, de inquietações e de tormentos. Tenho-me frequentado o menos possível.

Considero a piedade do rico para com o pobre injuriosa e contrária à fraternidade humana.

O jogo é um corpo-a-corpo com o destino.

O real serve-nos para fabricar melhor ou pior um pouco de ideal.

Não é bom agarrar-se obstinadamente aos bens mortais; devemos deixar aquilo que nos deixa.

O senso comum diz-nos que a terra é imóvel, que o sol gira à sua volta e que os homens que vivem nos antípodas andam de cabeça para baixo.

A vida real seria insuportável, se não fossem os sonhos.

O dinheiro é um dos fins para se viver feliz: os homens transformaram-no no único fim.

A mulher alimenta-se de carícias, como a abelha das flores.

É uma grande tolice o «conhece-te a ti mesmo» da filosofia grega. Não conheceremos nunca nem a nós nem aos outros. Mas não se trata disso. Criar o mundo é menos impossível do que explicá-lo.

Na noite onde todos estamos, o sábio esbarra com a parede, enquanto o ignorante fica tranquilamente no meio do quarto.

Sem o caráter, nada vale o espírito.

Não tenho ilusões sobre os homens, e, para não os odiar, desprezo-os.

Muito aprendeu quem bem conheceu o sofrimento.

Só se ama verdadeiramente quando se ama sem razão.

O que seriam os desertos da vida sem as brilhantes miragens dos nossos pensamentos!

Os homens brigam com mais frequência por via das palavras. É por palavras que eles matam e se fazem matar com maior empenho.

As verdades descobertas pela inteligência são estéreis. Apenas o coração é capaz de fecundar os seus sonhos.

A timidez é um grande pecado contra o amor.

A religião prestou ao amor um grande serviço, fazendo dele um pecado.

Os sonhos dos filósofos têm, em todos os tempos, animado homens de acção que puseram mãos à obra para realizá-los.

Para realizar grandes coisas, precisamos sonhar do mesmo modo que agir.

Todas as mudanças, mesmo aquelas pelas quais ansiamos, têm sua melancolia.

Com que direito os deuses imortais rebaixariam um homem virtuoso ao ponto de o recompensar?

As razões de nossos atos são obscuras e os impulsos que nos impelem para a ação ficam profundamente ocultos.

Pois todas as nossas misérias verdadeiras são íntimas e causadas por nós mesmos. Acreditamos erradamente que elas vêm de fora, mas formamo-las dentro de nós, da nossa própria substância.

Sabendo sofrer, sofre-se menos.

Mais vale compreender pouco do que compreender mal.

Pois a mulher é a grande educadora do homem: ensina-lhe as virtudes encantadoras, a polidez, a discrição e essa altivez que teme ser importuna. Ela mostra a alguns a arte de agradar, a todos a arte útil de não desagradar.

O que a juventude tem de melhor é ser capaz de admirar sem compreender.

A infelicidade é a nossa maior mestra e amiga. É a que nos ensina o sentido da vida.

As religiões não têm muito efeito sobre os costumes e são o que os costumes as fazem.

Os poetas ajudam-nos a amar: só servem para isso.

De todas as escolas que frequentei, a da rua, foi a que me pareceu melhor.

Nada temos a fazer neste mundo senão nos resignarmos. Mas as criaturas nobres sabem dar à resignação o lindo nome de contentamento.

Nem o sacerdote, nem o soldado devem sentir as inquietações de dúvida.