Princípio: uma coisa que demasiadas pessoas confundem com «interesse».

A guerra é desatar com os dentes um nó político que não se pode desatar com a língua.

Vizinho: indivíduo que, segundo os mandamentos, devemos amar como a nós próprios, embora ele faça tudo o que sabe para nos levar à desobediência.

As calamidades são de duas espécies: a desgraça que nos acontece e a sorte que acontece aos outros.

Uma insanidade passageira, curável pelo casamento.

Pederneira. Substância muito usada no fabrico de corações humanos.

Opor: dar uma ajuda com obstruções e objecções.

Rezar é pedir que as leis do universo sejam anuladas em nome de um único requisitante, confessadamente desmerecedor.

Responsabilidade: um fardo descartável e facilmente transferido para os ombros de Deus, do Destino, da Sina, da Sorte, ou do nosso vizinho. Nos tempos da astrologia, era comum descarregá-lo para cima de uma estrela.

Entusiasmo: uma doença de juventude que se cura com pequenas doses de arrependimento e umas aplicações exteriores de experiência.

Senilidade: imbecilidade provocada pela velhice, que se manifesta habitualmente sob a forma de loquacidade.

Ontem: a infância da juventude, a juventude da idade adulta, todo o passado da velhice.

Raciocinar: pesarmos as probabilidades na balança do desejo.

Oposição: na política, partido que impede o Governo de andar para aí aos pinotes, jarretando-o.

História: um relato geralmente falso de acontecimentos geralmente fúteis, contados por governantes geralmente velhacos e soldados geralmente tolos.

Trabalho: um dos processos através dos quais A cria riqueza para B.

Ingratidão: uma forma de amor-próprio que não é inconsistente com a prática de aceitar favores.

Gentileza: um breve prefácio a dez volumes de exigências.

Religião: uma filha da Esperança e do Medo, que explica à Ignorância a natureza do Desconhecido.

Instrução: o tipo de ignorância que distingue o estudioso.

Virtudes: certas abstinências.

Definição de cérebro: um aparelho com o qual pensamos que pensamos.

Cérebro: dispositivo com o qual pensamos que pensamos. Aquilo que distingue o homem que se contenta com ser alguma coisa do homem que quer fazer alguma coisa.

Prudente: um homem que acredita em dez por cento daquilo que ouve, num terço daquilo que lê e em metade daquilo que vê.

Curiosidade: uma qualidade repreensível do espírito feminino. O desejo de saber se uma mulher sofre da maldição da curiosidade constitui uma das paixões mais insaciáveis da alma masculina.

Ajudar: criar um ingrato.

Litigante: uma pessoa que se prepara para trocar a pele pela esperança de ficar com os ossos.

Cobarde é o homem que numa emergência perigosa pensa com as pernas.

Historiador: bisbilhoteiro em larga escala.

Legal: compatível com a vontade de um juiz que tem poder de jurisdição.

Só: em má companhia.

Diabo: o autor de todos os nossos infortúnios e proprietário de todas as coisas boas deste mundo.

Cortesia: pedir desculpa a um indivíduo por estar no meio do caminho e ter sido alvejado por uma bala que ele disparou para acertar noutra pessoa. A forma mais aceitável de hipocrisia.

Falar: cometer uma indiscrição sem tentação, motivado por um impulso sem finalidade.

Absurdo: afirmação ou convicção manifestamente contrária à nossa própria opinião.

Juiz: uma pessoa que está constantemente a interferir em discussões pelas quais não tem qualquer interesse pessoal.

Pateta: uma pessoa pouco elegante e com uma tendência excessiva para tropeçar nos próprios pés.

Ignorante: uma pessoa que desconhece certas coisas que nos são familiares, conhecendo outras coisas das quais nunca ouvimos falar.

Recompensa: ingratidão.

Discussão: um método para demonstrar os erros dos outros.

Verdadeiro: estúpido e iletrado.

Patriota: indivíduo a quem os interesses de uma parte parecem superiores aos interesses do todo. O joguete dos estadistas e a ferramenta dos conquistadores.

O que vale a pena fazer vale a pena o trabalho de pedir a alguém para o fazer.

Orgulho: recusarmo-nos a pagar a conta do alfaiate porque ele nos tratou por Senhor - e não por Doutor.

Lar: o sítio de último recurso - aberto toda a noite.

Matrimonio: Estado o condición de una comunidad que se compone de un señor, una concubina y dos esclavos, todo en solo dos personas.

Casamento: cerimónia na qual duas pessoas passam a ser uma, uma passa a ser nada e nada passa a ser sustentável.

Patife: uma espécie daninha que se encontra em grande abundância nos sítios onde há boas colheitas de tolos, de cuja planta se alimenta.

Difamar: mentir acerca de outra pessoa. Dizer a verdade acerca de outra pessoa.